quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Queda livre

Hoje o dia amanheceu assim, sem graça, desse jeito que me faz parar e pensar. E eu pensei. Pensei como as coisas tem parecido sempre turbulentas. Sabe? Daquele jeito que eu fico, durmo, acordo e durmo outra vez,  e o cansaço não some.
Hoje o dia se estendeu como uma descida íngreme: eu e você insatisfeitos com a realidade, eu e você querendo uma solução pros nossos problemas, eu e você discutindo num silêncio absurdamente agressivo.
Sabe que em dias assim, sempre em dias assim, eu paro e penso. E eu pensei. Pensei que você não faz com que eu me sinta bonita de moletom, e me faz sentir coisas ruins por ser assim brava como sou. Pensei mais uma vez como é dificil querer fazer algo dar certo simplesmente porque há amor. Afinal não dá  nem pra garantir que haja.
Fica dificil querer estar com você, especialmente quando eu estou querendo tanto a sua companhia e te sinto se dando a tantas outras companhias, entende? Você se enche pra dizer que precisa de mais tempo comigo, e eu não consigo ver verdade nisso. Só vejo pirraças, desafios e feridas.
Por favor, não venha repetir um eu-te-amo como se isso resolvesse tudo. Talvez, num mundo de conto de fadas isso resolva, mas no meu mundo, nesse que você cada vez mais evita fazer parte, um eu-te-amo não muda muito. Na verdade, não muda nada quando é dito assim pra tentar estancar a ferida aberta. Não muda nada quando significa que todos os meus sentimentos ruins deveriam sumir simplesmente porque você está dizendo que me ama.
Posso ver você dizendo: tempestade em copo d'água, não fiz nada de errado e você também faz coisas assim...
Mas as coisas nunca foram e nunca serão equilibradas entre nós. Nunca. Eu nunca vou lidar com as coisas como você e nunca o meu silêncio vai doer como o seu, e nunca o seu grito como o meu. Seus amigos, seus filmes, suas músicas e seus jogos: nunca foram e nunca serão igualmente queridos como os meus. E pára de tentar comparar seus hábitos de dois meses, aos meus de seis anos. Pára de tentar fazer o que eu faço pra que eu veja como você se sente. Eu sinto mais, e eu sinto muito.
Depois da descarga de adrelina você volta pra sua rotina e vive muito bem. Eu, depois da adrelina, vivo e revivo infinitas vezes, e sofro e choro e fico vermelha de tanta raiva. Eu sinto mais, e eu sinto muito.
Hoje o dia amanheceu, assim sem graça, e eu poderia ter desejado deitar no seu colo e descançar. Eu poderia.

3 comentários:

  1. Fiz das tuas as minhas palavras e dos teus sentimentos nesse texto os meus.
    As coisas não são como desejamos, são cansativas demais para continuarmos insistindo em coisas que não dão mais. Beijo

    ResponderExcluir
  2. Parei pra pensar em cada palavra escrita e muitas vezes percebo que também me sinto assim, os eu-te-amo já quase não significam garantia de nada, é como sentir que por mais que a gente queira ficar a outra pessoa fica encontrando motivos pra ir e arrumando desculpas esfarrapadas. A gente querendo ficar e a pessoa nos empurrando aos poucos pra fora de sua vida. É sofrido, dói pra caramba mesmo, mas uma hora cansa e muito. Beijos Marcela. ;*

    www.eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, boa tarde.

    Passo aqui nesse para divulgar um novo blog:

    http://jaynnesantosrenda.blogspot.com.br/

    Trata-se de uma oportunidade de trabalhar em casa pela internet e faturar uma renda extra. Tendo a segurança que se trata de uma empresa séria, honesta e que oferece serviços de qualidade.
    Para mais informações acesse o blog acima.

    Obrigada pela atenção, ótimo fim de semana.

    Beijos,
    Jaynne Santos.

    ResponderExcluir